segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Ser Psicólogo - Grifos Meus

Durante minha curta carreira como Psicólogo ouvi e ouço muito frases como: “como você aguenta ouvir tantos problemas” ou “deve ser difícil pegar casos complicados ou esquisitos, não é mesmo?” ou “eu não teria paciência, não resolvo nem meus problemas, quem dirá resolver os dos outros...". 

Sempre digo, um psicólogo ou uma psicóloga, antes de tudo é um ser humano, sendo assim, sente exatamente como todas as pessoas deste mundo. Todos os sentimentos estão presentes e aparecerem hora ou outra. Pontuo que a diferença esta na impressão que passamos, de que somos bem resolvidos, ou tranquilos, ou pacíficos, ou equilibrados, isso se dá devido às técnicas da profissão.

Por exemplo, depois do expediente de atendimentos clínicos, cada um tem a sua vida e a grande questão é saber lidar com tudo o que se ouve e se escuta dentro do consultório, pois a experiência é incrivelmente única: ter acesso aos pensamentos, sentimentos, crenças, desejos de várias pessoas e utilizar o conteúdo que ali aparece para que o sujeito possa se autoconhecer e encontrar seu caminho. Tendo acesso a todo este conteúdo e, ao mesmo tempo, tendo o contrato de sigilo com o paciente (que diz que tudo o que for dito permanecerá em sigilo), a experiência é a de vivenciar mil vidas em um dia – por compartilhar da vida secreta do outro – e, simultaneamente, estar sempre sozinho e silente sobre o que se escuta.


Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores