terça-feira, 11 de novembro de 2014

ABUSO SEXUAL

Segundo certa estimativa, 1 em cada 3 meninas e 1 em cada 7 meninos já foram forçados a uma experiência sexual antes de atingirem os 18 anos de idade. A maioria dessas crianças sofre em silêncio. “Como soldados desaparecidos em ação”, observa o livro The Child in Crisis, “elas permanecem perdidas por anos numa selva particular de medo e culpa”. 

“Quanto eu odiava meu pai por abusar de mim, e quão culpada me sentia por odiá-lo”, diz Louise. “Eu sentia tamanha vergonha porque se espera que uma criança ame seus pais e não era sempre que eu os amava.” Tais sentimentos desconcertantes são compreensíveis quando o principal protetor da criança passa a ser um perpetrador. Beverly Engel pergunta em The Right to Innocence (O Direito à Inocência): “Como podemos aceitar que o nosso próprio pai ou a nossa própria mãe, alguém que supostamente devia nos amar e cuidar de nós, se importe tão pouco conosco?”.

O abuso sexual pode distorcer o inteiro conceito de vida da criança. “Todo adulto que sofreu abuso sexual quando criança traz de sua infância sentimentos penetrantes de ser irremediavelmente inadequado, imprestável e genuinamente mau”, escreve a Dra. Susan Forward. 

Às vezes, os que cometem abusos sexuais se aproveitam do amor natural duma criança por segredos. Não era excitante, quando era jovem, ter um segredo? Uma menininha tinha um segredo que escondia dos pais. Mas, certo dia, os pais dela a viram agir dum modo sexualmente precoce. Quando lhe perguntaram onde é que tinha aprendido tais coisas, a menininha disse: “É um segredo.” O pai dela lhe explicou que, às vezes, não devíamos guardar certos segredos, de modo que a menininha lhe revelou seu segredo. Um chefe de família de 40 anos, que era parente próximo, obrigara-a a deitar-se e cometera abuso sexual contra ela. 

A sugestão de que a educação sexual seja considerada “segredo de família” pode inadvertidamente resultar em grandes dificuldades para alguns leitores. Assistentes sociais, professores, enfermeiros e outros profissionais são agora treinados para observar indícios de abusos de criança. A palavra “segredo”, quando usada por uma criança, é um de tais indícios, visto que muitos que abusam sexualmente de crianças mandam que elas guardem segredo do abuso. 

Por fim destaco que a omissão envolve medo, vergonha, culpa, guardar segredo, além de outras causas.

Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores