quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Escuta Analítica

Um conhecido texto de Rubem Alves, intitulado “Escutatória”, aborda de maneira criativa e poética a problemática de escutar e falar na experiência humana. Diz o escritor, com muito bom humor, que todos procuram por cursos de oratória, ou seja, todos querem aprender a falar, mas ninguém se interessaria por um curso de “escutatória”, isto é, pelo aprendizado da arte de escutar.
Diriam alguns que ouvir é muito fácil, que árduo é aprender a falar, a se expressar, a se comunicar. Sem dúvida que a expressão é difícil para muitos — em clínica psicanalítica recebemos pacientes com tal dificuldade –, mas saber escutar é igualmente trabalhoso e raro.
Sugiro aqui uma distinção entre ouvir e escutar. Ouvir é aquilo que fazemos em nossos relacionamentos cotidianos: ouvimos o outro, muito embora, com frequência, estejamos apenas esperando por nossa oportunidade para falar. Misturamos nossos preconceitos e julgamentos com aquilo que ouvimos da boca do próximo e, como resultado, compreendemos e acolhemos muito pouco daquilo que ele ou ela nos dirige com sua fala. Estamos ávidos por opinar, por discordar, por aconselhar.
A escuta, por sua vez, tem uma qualidade diferente. É aquilo que se faz, como diz Rubem Alves, quando há silêncio dentro da alma. Quando os pensamentos não fazem ruído excessivo em nossa cabeça, aí, sim, podemos escutar o outro. Quando abrimos mão de nossos preconceitos, certezas e julgamentos, podemos realmente escutar e acolher aquilo que o outro nos endereça em sua fala.
A possibilidade de escutar a partir do silêncio é muito enfatizada na mística oriental. Um antigo conto zen-budista relata a busca de um discípulo pela sabedoria, indagando seu mestre. O mestre Zen nada lhe explica, ao contrário, apenas despeja chá na xícara do discípulo, até o líquido transbordar. Quando o consulente, surpreso, queixa-se desse pequeno descuido, o mestre diz-lhe que aquela xícara cheia de chá era como a sua mente, repleta de opiniões e conhecimento ocioso. Nada de novo poderia ali entrar, ela estava completamente ocupada. Em outros termos, o discípulo ainda não tinha a capacidade de escutar.


O psicanalista também está ciente do problema, pois sabe que somente se escuta um paciente na ausência de julgamentos e de certezas absolutas a respeito do que ele fala. E o paciente, ao sentir-se verdadeiramente escutado, consegue, finalmente, dar expressão aos seus pensamentos e sentimentos. Nos idos de 1900, foi Freud o primeiro a dar uma escuta às pacientes histéricas, que eram vistas como dissimuladas pelos médicos da época. Ninguém realmente as escutava, seu discurso era menosprezado. E com esse ato simples, porém difícil, de escutar, conseguiu Freud compreender e mostrar-lhes a dinâmica inconsciente de seus sintomas, livrando muitas delas da miséria neurótica.
Texto completo em: Escuta Psicanalítica

Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores