terça-feira, 24 de setembro de 2013

O QUE LEVA UMA PESSOA A TENTAR SUICÍDIO?

Estudo desenvolvido pelos profissionais Flávia Caroline Figel, Cláudia Lúcia Menegatti e Elke do Pilar Nemer Pinheiro e publicado no periódico Estudos de Psicologia (Campinas) objetivou compreender os possíveis fatores desencadeantes e as consequências para o próprio indivíduo de suas tentativas de suicídio, a partir dos relatos de pacientes que foram internados em um hospital psiquiátrico de Curitiba, Paraná, em decorrência da tentativa.
Participaram do estudo duas mulheres e um homem, com idades entre 36 e 52 anos, hospitalizados em um hospital psiquiátrico devido a tentativas de suicídio; Foi conduzido um roteiro de entrevista semi-estruturada – com tema sobre a história de vida do indivíduo – com questões relativas ao comportamento suicida, as situações antecedentes e as consequências da tentativa de suicídio.
Tendo em vista a base analítico-comportamental da pesquisa, fora realizada a análise funcional dos casos, o que possibilitou o levantamento de algumas hipóteses sobre as tentativas de suicídio: uma característica comum presente nos três pacientes analisados fora a presença de fatores de risco para o suicídio, sendo considerados antecedentes para as tentativas; Fatores como a presença de transtornos mentais (como o transtorno bipolar, depressão e ambas) e um histórico de violência física, mental ou psicológica (no caso específico da violência sexual e na maneira como essa afeta o desenvolvimento de crianças e adolescentes de diversas maneiras, a mesma é considerada também fator de risco para o desenvolvimento de psicopatologias).
Destaca-se na pesquisa, através dos relatos dos pacientes, situações de privação de atenção social (especialmente de familiares) durante o período das tentativas de suicídio; Nesses casos, infere-se que no momento que os indivíduos estavam privados de atenção social, outros tipos de comportamento provavelmente passaram a ser emitidos, e as tentativas de suicídio foram reforçadas. Entretanto, o efeito duplo da atenção social nas tentativas se tornaram evidentes: ao mesmo tempo que protege a vida do indivíduo (já que a família se engaja em ajudar ou controlar o comportamento mediante o risco) também pode reforçar as tentativas de suicídio.
Leia mais em: REDE PSI

Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores