terça-feira, 5 de março de 2013

Relacionamentos e Conflitos

Maria Dilma Campo Burkle
Psicanalista
 
É muito comum que a base dos relacionamentos de casais estabeleça-se sobre uma distorção da realidade, sem que disso se tenha consciência. A demanda que fica é: “Não me sinto inteira (o), sou incompleta (o) enquanto pessoa”, e daí vem uma extrema necessidade de se encontrar a outra metade.
Metaforicamente, sendo metade de algo que nem sei direito o quê ou quem, o senso de identidade e auto-estima fica prejudicado. Disto resulta colocar nessa metade faltante, expectativas e exigências para dela obter a comprovação de que existo e mereço amor, segurança, felicidade, etc.
 
Este é o cenário no qual verdadeiros dramas acontecem, no palco chamado vida, onde todos atuam seus personagens, uma grande ficção com direção própria, produzida e enviada diretamente do inconsciente.

Às vezes rindo, outras chorando, sendo protagonista ou telespectador da história de Cinderela, adaptada ao século XXI, a situação se repete: “Se me amasse de verdade, faria tudo por mim!”. E assim, as condições são impostas e nem sempre verbalizadas. O outro até deve adivinhá-las, igual mamãe que já sabia e gratificava ou não, todos os meus desejos. Abraços, beijos, elogios, acompanhar-me nos meus interesses, afirmar e reafirmar seu amor o tempo todo.
 
Supondo que haja amor, sufoca com tamanhas exigências. Passa a ser tremendo encargo sobre os ombros do outro, que também tem suas próprias questões. Também o inverso costuma ocorrer: “Eu o amo, vivo para satisfazê-lo, sem ele não sobrevivo, falta o ar e o chão sobre o qual me apoio, não posso perdê-lo, portanto me anulo pois sou apenas extensão do outro”.
 
As configurações e interações que a dimensão emocional humana compõem, fornecem o material para infinitas criações imaginárias e, quase sempre, são atuadas em fatos reais. Todos nós reconhecemos esses conflitos. Em proporção variável, somos agentes de prazer e felicidade do outro, ou este outro acaba sendo o nosso objeto de prazer e felicidade. Revendo nossas histórias, compreendemos os porquês.
 
Compartilhamos a experiência de desamparo e, nesse enredo, existe a dependência de um outro que nos garanta a sobrevivência. Sendo esse outro o representante da falta que é deslocada e reeditada nas vivências emocionais atuais com nosso parceiro, a ele delegamos o papel que foi um dia o da mãe. Pobre dele e pobre de nós! Crianças brincando de serem adultas, vivendo em um mundo de “faz de conta”.
 

2 comentários:

Anônimo disse...

E como superar essa carência?
Porque decidem estar juntos, se cada um cuida só da sua vida?

Anônimo disse...

Adorei, é isso mesmo! O que estraga um relacionamento e o impede de seguir adiante é a pressa, a projeção que criamos em relação a outra pessoa, querendo que o outro seja aquilo que desejamos que ele fosse e não o que realmente é. Com isso, acabamos nos iludindo num faz de contas e consequentemente nos decepcionando. Pois acabamos por exigir muito do outro, querendo que ele adivinhe nossos pensamentos e cuide de nós em todos os momento, assim como uma mãe que cuida de seu bebê na infância. Repetindo o que foi dito: Como se fosse pobres crianças brincando de serem adultos. Ou até mesmo nos anulando e vivendo em função da outra pessoa, como se não tivéssemos vida própria ou não fossemos capaz de viver sem a outra pessoa. É um erro, pois cada um é cada um, com seus defeitos e qualidades, e devemos aceitar a outra pessoa como é, com o que pode nos oferecer e sendo sempre realistas. Ou seja, todos precisam de espaço.

Popular Posts

Seguidores