segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Avaliação Psicológica e os Testes Psicológicos: Problemas Mais Graves e Mais Freqüentes

Por Ismael dos Santos -

RESUMO
              Atualmente, o profissional da psicologia utiliza estratégias de avaliação, com objetivos bem definidos para encontrar respostas a questões propostas com o objetivo de solucionar problemas e os testes psicológicos são um dos importantes instrumentos que podem contribuir com o plano de trabalho e eficácia da intervenção do Psicólogo.

AVALIAÇÃO E TESTES PSICOLÓGICOS
            O conceito de avaliação psicológica é amplo, se refere ao modo de conhecer fenômenos e processos psicológicos por meio de procedimentos de diagnósticos e prognóstico, para criar as condições de aferição de dados e dimensionar esse conhecimento (ALCHIERI & CRUZ, 2003). Em relação aos testes psicológicos, Cronbach (apud PASQUALI, 2001) afirma que: "um teste é um procedimento sistemático para observar o comportamento e descrevê-lo com a ajuda de escalas numéricas ou categorias fixas(p.18)". Em outras palavras, um teste psicológico é fundamentalmente uma mensuração objetiva e padronizada do comportamento de um indivíduo.
            "As sementes da avaliação psicológica, que hoje constitui uma das funções do psicólogo, foram lançadas numa fase que abrangeu o fim do século XIX e o início do século XX, época que marcou a inauguração do uso dos testes psicológicos. Historicamente, portanto, justifica-se a imagem que o leigo formou do psicólogo, como um profissional que usa testes, já que principalmente testólogo é o que ele foi na primeira metade do século XX" (Cunha, p.19, 2000).
No que diz respeito aos métodos e técnicas utilizadas, assim como o tempo previsto para a realização da avaliação, e aos procedimentos utilizados, não parece ser possível estabelecer uma concordância entre a comunidade psicológica. Isso ocorre devido a diferentes estilos e posturas profissionais e essas diferenças trazem contribuições para a área, à medida que o resultado dessas diferenças sejam positivas e gerem desenvolvimento.

OS PROBLEMAS MAIS FREQUENTES
Dentre os principais problemas apresentados na aplicação de testes psicológicos, vários autores destacam: definição pouco simples do que o instrumento mede, dificuldade encontrada na habilidade do psicólogo para compreender os dados e para fazer relações entre os diversos resultados encontrados, através do próprios testes ou de qualquer outra técnica utilizada.
Estudos realizados em alguns países – Portugal, Espanha e Ibero-Americanos – à respeito do uso de testes, mostraram os problemas mais freqüentes no uso dos mesmos. Dentre eles:
ü  Xerocar material de testes;
ü  Usar testes inadequados para algumas situações;
ü  Não estar em sintonia com algumas modificações da área;
ü  Avaliações incorretas;
ü  Não usar folhas de respostas padronizadas;
ü  Não ter clareza das limitações dos instrumentos;
ü  Não adaptar os instrumentos para os determinados países ou regiões;
ü  Não arquivar os instrumentos;
ü  Não dar devido segmento aos estudos do teste.

Como pode ser observado acima, os problemas em relação à avaliação psicológica, em especial aos testes psicológicos, são reflexos dos problemas encontrados na formação acadêmica e profissional. Ainda é a formação que dirige as ações do psicólogo, e para que se obtenha uma ação com um mínimo de problemas graves e freqüentes, deve-se investir na preparação e formação do profissional.
Além da formação profissional, os problemas encontrados na avaliação psicológica e aplicação de testes podem se referir também às deficiências nos próprios instrumentos, assim como a falta de pesquisas que promovam de forma satisfatória, o desenvolvimento. Essas pesquisas na área são importantes, mostram a preocupação em criar novos instrumentos, com a utilização de instrumentos existentes, com a variação dos parâmetros psicométricos dos instrumentos, assim como com a solução de problemas presentes na avaliação psicológica como um todo.
Para Pasquali (1991) parte da dificuldade pode ser atribuída ao descaso de nossos pesquisadores, que pouco se preocupam com as qualidades psicométricas dos instrumentos psicológicos. Todos estes questionamentos, se fazem muito importantes e necessários, pois geram estudos e pesquisas direcionados à área da psicologia em busca de melhoras e aperfeiçoamentos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Portanto, a necessidade e importância da ação das comunidades de estudos e de pesquisas é muito evidente a fim de que os profissionais que utilizam a avaliação e testes psicológicos, encontrem o devido estado de excelência em suas práticas. Em relação aos acadêmicos da psicologia, segundo vários autores, o ensino dos testes deve ser aliado à prática; os alunos devem submeter-se aos testes ou aplicá-los em outras pessoas; devem realizar estágios em que possam aplicar os testes; em fim, deve receber uma sólida base teórica sobre os testes que irão utilizar no decorrer de sua vida profissional.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALCHIERI, J. C & CRUZ, R. M. Avaliação Psicológica: conceito, métodos e instrumentos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
ANA, Paula Porto Nronha. Psicologia: reflexão e crítica. 2002, (15)1, pp. 135-142.
CUNHA, Jurema Alcides ... [et al]. Psicodiagnóstico-V. – 5.ed. revisada e apmpliada – Porto Alegre: Artmed, 2000.
PASQUALI, L (Org.) Técnicas de exame psicológico – TEP. Manual. Vol. I: Fundamentos das técnicas psicológicas. São Paulo: Casa do Psicólogo / CFP, 2001

http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/avaliacao-psicologica-e-os-testes-psicologicos-problemas-mais-graves-e-mais-frequentes-4310367.html

2 comentários:

Sabrina Martinelli Anéas disse...

Oi Ismael,
Gostei do seu artigo, mas vale frisar que hoje, com a neuropsicologia, os testes adquiriram mais importância e credibilidade (principalmente entre os psicólogos e outros profissionais da saúde). Infelizmente a formação acadêmica não dá conta de mostrar a abrangencia de todos eles. Temos uma formação deficitária em relação ao uso, aplicação e avaliação.

Ismael dos Santos disse...

Com certeza Sabrina, os testes são ferramentas importantes de avaliação. Eu, por exemplo, quero trabalhar no campo da Psicologia Organizacional, com certeza irei utilizar testes nos processos de recrutamento e seleção. E, infelismente, é como você descreveu "Temos uma formação deficitária em relação ao uso, aplicação e avaliação"