sexta-feira, 14 de março de 2014

PROBLEMAS PSICOLÓGICOS CAUSAM OBESIDADE

Por Rosilene Lima
Ninguém dorme magro e acorda gordo. Problemas psicológicos como ansiedade e estresse podem causar o ganho excessivo de peso e interromper tratamentos para diminuição causando o chamado efeito "sanfona".

Sabemos que a obesidade e os aspectos emocionais estão estreitamente ligados. Os tratamentos tradicionais que não levam em consideração a estrutura psicológica do paciente estão fadados ao fracasso, em muitos casos chegam até a atingir a perda de peso, porém recuperada com o tempo, pois a falha na estrutura emocional persiste. 

Diferente da teoria em que muitos acreditam, o tratamento para emagrecer não se encontra nas mãos de um único profissional, na realidade o trabalho depende de uma equipe. Profissionais precisam trabalhar juntos para obtenção de resultados satisfatórios e duradouros. 

O processo de obesidade pode ocorrer devido a vários fatores, por esta razão é importante que o profissional envolvido faça uma investigação olhando para este indivíduo como um todo, ou seja, é necessário realizar uma investigação clínica para saber como estão os aspectos ligados a parte hormonal. Como lida com as questões relacionais e afetivas? Que visão de mundo tem e qual é a sua realidade alimentar? As respostas vão delinear o trajeto pelo qual percorrerá o tratamento.  

Ninguém dorme magro e acorda gordo. Antes todos passam por um processo de ganho de peso que pode muitas vezes levar a obesidade mórbida. O problema é que ainda hoje, a perda deste peso está focada num processo externo, ou seja, o profissional ou o obeso busca emagrecimento através de dietas e medicamentos milagrosos sem levar em consideração as causas ligadas 

a estrutura emocional, como por exemplo a compulsão alimentar por ansiedade.  

É importante que ao iniciar um tratamento, sejam avaliados métodos que tragam resultados duradouros. Profissionais e pacientes precisam ter uma visão alinhada para caminharem juntos neste processo, abordando principalmente aspectos emocionais e funcionais, ou seja, potencialidades, dificuldades, autoestima e autodisciplina. 

Como cuidar do emocional? O psicológico permea todas as nossas ações e atitudes diárias, no caso da obesidade o indivíduo muitas vezes ainda criança, já é acometido por dificuldades emocionais que podem levá-lo ao ganho de peso que o acompanha por toda vida adulta, e trazem conseqüências para vida afetiva, profissional e orgânica. É muito comum percebemos na prática clínica, pessoas com dificuldades para tocar suas vidas e atribuírem a si a responsabilidade pela obesidade. O que percebemos na verdade é estas pessoas apresentam dificuldades de estrutura emocionais para lidar com a vida e como consequência ganham peso chegando a uma obesidade. 

Na grande maioria não é o excesso de peso que atrapalha sua vida e sim os aspectos 
emocionais e a forma como lida com os problemas, que atrapalham a sua vida e que 
inclusive o faz engordar ou não conseguir perder peso Como enxergam o mundo? 

Acreditam que o problema está sempre no outro, atribui os acontecimentos à sorte e ao azar. Não percebem que a responsabilidade dos acontecimentos virá de acordo com as escolhas e atuação. Inclusive que uma má alimentação, estresse e ansiedade, o trarão resultados ruins como, por exemplo, o excesso de peso. Para mudar este cenário o ponto de partida está na reeducação, tanto emocional como alimentar sendo preciso também admitir as incapacidades.


Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores