quarta-feira, 20 de abril de 2011

Psicologia: Falando a respeito...

Muita gente, quando entra para um curso superior, se sente completamente perdida. Com a Psicologia não é diferente. Pensando nisso, deixo aqui algumas dicas sobre o curso e a profissão de Psicólogo.  
1 - O que o Psicólogo faz? 

A resposta a esta pergunta poderá variar conforme os campos de atuação deste profissional. Mas, de modo geral, pode-se dizer que o objetivo do Psicólogo é fornecer suporte para que seu cliente encontre novos modos de compreender e agir sobre o mundo físico, social e pessoal no qual esteja inserido, de modo a aumentar sua qualidade de vida.

2 - O que é um campo de atuação?

De acordo com Botomé (2002), um Campo de Atuação é definido por um conjunto de demandas/necessidades e possibilidades de intervenção. O conceito nos remete às funções que o profissional deve exercer para atender àquelas demandas. Por exemplo, quando a demanda for atendida por meio de funções características de um Psicólogo Organizacional, teremos o Campo de Atuação Organizacional. Quando as demandas forem atendidas por meio de funções características do Psicólogo Clínico, estaremos lidando com o Campo Clínico de Atuação. Assim por diante.

Alguns dos principais Campos de Atuação do Psicólogo são:

Psicologia Clínica
Psicologia Escolar
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia do Esporte
Psicologia Ambiental
Psicologia da Saúde
Psicologia Hospitalar
Psicologia Jurídica, forense e criminal
Psicologia do Trânsito
Psicologia Social
Docência
entre outras.
 
3 - Como o Psicólogo trabalha?

A resposta a esta pergunta irá variar conforme a abordagem que orienta seu trabalho. Uma abordagem é um jeito de entender o mundo. Ela oferece uma orientação sobre como agir sobre ele e  sobre suas demandas. Consiste em um conjunto de teorias e técnicas que dão suporte o trabalho do Psicólogo. 

Ao longo do curso, o aluno conhecerá várias delas e poderá experimentar algumas em estágios, pesquisas, projetos de extensão, entre outras possibilidades. Em algum momento deverá optar por uma delas, e, dependendo de qual escolher, seu jeito de trabalhar irá mudar. 

Algumas das principais abordagens da Psicologia são: Análise do Comportamento, Psicologia Cognitivo-Comportamental, Psicanálise, Psicodrama, Sistêmica e Sócio-Histórica.
 
4 - Quem procura um Psicólogo?

Geralmente, irá procurar um Psicólogo quem estiver insatisfeito com algum aspecto de sua vida (profissional, acadêmica, social, familiar, etc) ou que seja portador de algum transtorno mental. Mas não é apenas com esta população que o Psicólogo trabalha. Ele atenderá todo aquele que queira promover uma melhora na qualidade de sua vida, seja em que aspecto for. 
 
5 - E aquelas matérias no início do curso, que não tem nada a ver com Psicologia. Preciso mesmo estudá-las?

Muita gente reclama por ter que estudar estatística, anatomia, fisiologia, metodologia científica, entre outras, acreditando que estas disciplinas não tem nada a ver com a Psicologia. É um engano. E o pior, é que geralmente só se dá conta disso quando se está do meio para o final do curso e já não há mais tempo para revê-las.

O conhecimento é cumulativo. O que é ensinado no início do curso é que dará base para o que você irá estudar adianta; e ambas as fases, te darão base para sua atuação. E não adianta enrolar. Por mais que tente tapear os professores, não conseguirá tapear o mercado. Você será cobrado pelo que deveria ter aprendido. Inclusive, pelo básico. 
 
6- Como está o Mercado de Trabalho para o Psicólogo?

Isso irá variar conforme sua região. Mas de maneira geral, não está fácil, assim como para muitas outras profissões. 

A Psicologia é uma profissão cuja maioria esmagadora das pessoas não conhece a utilidade. A crença de que Psicólogo cuida apenas de doentes mentais é um agravante. Além disso, dentro da Psicologia, existe uma quantidade muito grande de profissionais ruins, que "queimam o filme" da profissão.
Outro fator que contribui para a dificuldade do Psicólogo se inserir no mercado é que a Psicologia é muito muito elitista. Maioria da população não tem dinheiro para pagar um Psicólogo Clínico, que é o campo no qual maioria das pessoas acaba atuando. 

Mas assim como em qualquer outra profissão, os bons se destacam. Quem deseja ter seu lugar ao sol após formado, terá maior probabilidade de conseguir caso se envolva em pesquisas, estágios extra-curriculares, projetos de extensão, grupos de estudo, congressos dentro e fora de sua cidade e outras atividades acadêmicas. Um bom currículo é essencial. E um profissional bem preparado, que tem segurança sobre o que faz, tem maiores chances de se dar bem no mercado. 

É importantíssimo também que construa uma sólida rede de relacionamentos profissionais (Networking), conquistando confiança das pessoas de sua área e de outras para que tenham segurança de te indicar posteriormente. Você pode fazer isso nos estágios, congressos e eventos, corredores da faculdade, festas, elevadores, etc., etc., etc. Enfim, em todo tipo de situação em que existam outras pessoas. 

É indispensável que o aluno de graduação construa, ao longo do curso, uma boa imagem diante de seus colegas, professores, futuros empregadores (empresas, escolas, hospitais, etc) e da sociedade como um todo (afinal, um clínico é autônomo, mas também precisa ter uma boa imagem). Lembre-se: a imagem que as pessoas tem de você é que ditará o quanto confiarão em seu trabalho. Quanto mais confiarem, maiores chances de te procurarem ou indicarem. E para confiarem, você precisa demonstrar bons resultados. 
 

Nenhum comentário:

Popular Posts

Seguidores